12.11.17

TAG Meus hábitos de escrita


Olá, pessoas!

Daninha, do ConversaCult, me marcou para responder a TAG Meus Hábitos de Escrita, e cá estou eu vivendo a tentativa. A TAG foi feita pela Pam Gonçalves aqui no BR, e é baseada na TAG gringa criada pela Kristen Martin. 

ONDE EU ESCREVO?

Hoje em dia isso é relativo. Já escrevi em vários lugares, meus últimos dois contos e inícios de alguma coisa (só Hygge veio a público deles) eu escrevi no trabalho (na hora do almoço) e no meu quarto. Nunca escrevi em lugares públicos e de algum forma ou outra tudo sempre acaba em casa. Antes de começar a trabalhar eu só conseguia escrever no meu computador de mesa aqui, até hoje ão consigo perder a sensação de que alguma coisa está errada quando escrevo em outro lugar, mesmo que às vezes seja necessário. Mas também, .+desde de que estou com meu notebook não consegui de volta a sensação de que tudo está certo, como tinha antes #dramática

COMO VOCÊ SE ISOLA DO RESTO DO MUNDO ENQUANTO ESTÁ ESCREVENDO?

Ficando sozinha. Não gosto de ficar sendo interrompida quando pego a vibe daquela história e estou empolgada escrevendo. De uns tempos para cá, tem ficado mais difícil me isolar por motivos de celular do lado o tempo todo, mas eu tento, desligando o wifi, escondendo o celular e avisando meu namorado que vou escrever, o que significa, tentar dar uma sumida. Internet é uma grande tentação e me influencia a enrolar muito.

COMO VOCÊ REVISA O QUE ESCREVEU NO DIA ANTERIOR?

Não reviso, não gosto de voltar. Quando não me lembro bem onde parei ou da onde preciso começar para seguir, leio os últimos parágrafos da história. Quando estou há alguns dias sem escrever tento ler tudo que vai me ajudar a lembrar o que eu estava fazendo. Enquanto faço essas leituras tento não revisar nem modificar nada, é mais difícil quando estou há dias afastada e em histórias curtas que parecem fácil mexer aqui e ali. Mas não é uma boa ideia, porque acabo não indo a lugar nenhum e adiantando o processo de edição, sem nem ter concluído o de escrever.

*Gosto de escrever todo dia quando começo, dias afastadas me fazem mudar o olhar ou os sentimentos com pontos da história e isto não costuma ser bom, porque acabo abandonando (quando estou no começo) ou empacada na história. 

QUAL A SUA PRIMEIRA ESCOLHA DE MÚSICA QUANDO NÃO ESTÁ SE SENTINDO INSPIRADA?

Quando estou escrevendo histórias não costumo escrever com música, me atrapalha a pensar. E a música também não é um recurso que busco muito quando estou sem inspiração, não é uma constante. Com alguns projetos eu tenho músicas que de alguma forma me inspiraram, nas letras ou nas melodias, e houveram épocas em que escrevia com som, mas eram músicas que eu apenas gostava ou não me atrapalhavam a pensar, não que eram daquela história ou fontes de inspiração.

O QUE VOCÊ SEMPRE FAZ QUANDO ESTÁ LUTANDO CONTRA O BLOQUEIO DE ESCRITA?

Roubando as palavras da Dana "sofrer" e me sentir uma farsa.

Quando recobro o pensamento racional eu procuro ler os últimos parágrafos ou capítulos que escrevi (em histórias curtas, isso não funciona tão bem, e se você acompanha meu trabalho sabe que tudo escrito nos últimos anos foram histórias curtas.........); Busco opiniões, conversando sobre a história, tentando descobrir onde está o motivo do bloqueio. Me lembro que não preciso pensar muito na primeira etapa, apenas escrever. E tento pensar no que precisa vir a seguir na sequência de acontecimentos da trama. Qual a próxima cena? Como vou chegar a ela? Ou só preciso ir direto para ela sem preâmbulos? Às vezes me bloqueio pensando que não sei como continuar uma cena, sem perceber que não tem nada mais pra fazer ali, não preciso continuá-la, e a próxima cena não precisa ter um gancho nesta atual. Só preciso ir. Isso faz sentido?

Por exemplo: Protagonista está na festa com a crush. O que precisava acontecer nesta festa já aconteceu e são 22 horas da noite, mas elas não irão embora ainda. E o próximo passo que a história precisa dar é o almoço em família do dia seguinte. Fico bloqueada tentando "acabar" a cena da festa e levar minha protagonista para o almoço de uma forma sequencial, quando eu só preciso começar outro capitulo no dia seguinte na hora do almoço. Porque não há nada mais entre as 22 horas do sábado e às 11 horas do domingo que precise ser contado. Ou detalhado, por exemplo, o fato dela ter ido dormir muito tarde pode ser mostrado pelas olheiras e os bocejos durante o almoço, não preciso acompanhar a personagem indo para cama de madrugada tomando cuidado para não acordar ninguém.

QUAIS FERRAMENTAS VOCÊ USA ENQUANTO ESCREVE?

Word ou o Google Drive para escrever, o próprio Google para pesquisas, papel e caneta para me orientar porque as vezes preciso rabiscar as coisas com minhas próprias mãos para entender. E costumo conversar sozinha fazendo isso.

Em algumas histórias uso tudo isso, em outras só um ou outro. Depende muito. Nunca escrevi nada completo a mão, às vezes começo por falta de computador e porque não me dou muito bem no celular — embora use o celular na falta de papel e caneta, ou por que eu nunca sei o que vou querer.

Ainda estranho a aparência do Docs do Google quando estou escrevendo, e isso me atrapalha. Faz eu sentir que o que está sendo escrito não está bom, ou me impede de continuar, se for ali. Sou doida assim.

QUAL A ÚNICA COISA QUE VOCÊ NÃO PODE VIVER SEM DURANTE A ESCRITA?

Eu acho que não existe algo que não dê para viver sem enquanto escrevo. Só o próprio arquivo, mas nem é em todo o caso.

Posso escrever sem internet para alguma pesquisa, na verdade, o ideal seria não fazer pesquisas porque eu sei que isso só me faz demorar;
Posso escrever sem papel e caneta por perto;
Posso ficar até sem comida, neste momento mesmo, estou com sede porque estou sentada aqui há algum tempo, mas ainda escrevo;
E até posso ficar sem o próprio arquivo, se eu lembrar bem onde parei, ou não empacar sem alguma informação antiga.

Isto tudo enquanto estou escrevendo, não editando. Editando eu vou precisar das 30 versões do arquivo que criei, de papel e caneta, da minha lista de passos (AMÉM TO DO LIST), etc etc.

COMO VOCÊ SE ABASTECE/SE ALIMENTA DURANTE UMA SESSÃO DE ESCRITA?

Muita água, porque meu Deus eu sinto muita sede. E muita comida, porque meu Deus eu como muito. Não tenho uma alimentação especifica para as sessões de escrita, algumas vezes posso até não me alimentar, se for uma sessão pequena. E quando me alimento depende do que tenho a disposição, da hora, de vontades sem sentido.

COMO VOCÊ SABE QUANDO TERMINOU DE ESCREVER?

No primeiro rascunho: quando eu não acho que precise dizer mais, e a tentativa é só uma enrolação. Algumas vezes sei de antemão como a história acaba, algumas não, e algumas acho que sei. Mas no fim, sabendo ou não que seria aquela cena a final, é só o sentimento e/ou o pensamento racional de que não há mais o que ser dito que faça diferença. 

Na edição é quase a mesma coisa, e quando concluo a última leitura de revisão (depois de ter mudado tudo que precisava, e só estou vendo se tá mesmo certo) e não aguento mais mexer naquela história.

Se for a cada dia, como a Dana mencionou, é quando acabo o que tinha "planejado" ou queria muito escrever aquele dia, e quando o cansaço ou a falta de inspiração me vencer. O que acontecer primeiro. Ah, ou quando algo externo me atrapalha ou eu me deixo distrair.

***

É isso, espero que tenham gostado e meu sono não tenha atrapalhado (muito) a qualidade, vou deixar em aberto pra quem quiser responder, e marcarei especificamente minhas amigas da Tertúlia (Giu, Dani, Gih, Tati e Isa, se ela voltar a escrever) e o Felipe do Não Sei Lidar

31.8.17

Um poema estranho

Dói tudo.

Dentro e fora.
Fora e dentro.

As pernas
de tanto
andar
pra lugar
nenhum.

As costas
as vezes 
o mundo
pesa demais.

Os braços
de nadar
pra morrer
na praia.

Os pulmões
por tentar
respirar
depois dos socos
na barriga
que a sua indiferença
me dá.

E os olhos
em ver
seu desamor.

E o corpo todo
toda vez
que me toca.

E toda vez
Que não toca.

- um poema estranho que achei em meus rascunhos

30.7.17

Hygge, um conto

Oi, mundo!

Dia 19 desse mês, fez um ano que eu publiquei meu primeiro conto, Quarto minguante lá no Wattpad, vieram outros depois desse, nenhum aqui no Luft. Mas hoje nessa manhã de domingo será o dia em que tudo mudará! SIM, TEMOS CONTO NOVO E INÉDITO!!!

Para um blog de nome sem tradução, um conto de título também sem tradução: Hygge. Lê-se "hoo-ga", é uma palavra do dinamarquês, segundo o dicionário do bem, que significa entre outras coisas, "ter prazer na presença de coisas leves e suaves, paz". E pareceu o único título possível para minha história que no final é só sobre a paz e o prazer nas coisas simples e pequenas de uma manhã de domingo tranquila. Espero que vocês também se sinta em paz lendo!

Sem mais delongas...



Os raios de sol fazem um caminho da janela até a mesa de madeira, refletindo no vidro da tigela com uma dúzia de laranjas, ainda em processo de amadurecimento, que mamãe comprou ontem na feira. O centro de mesa com crochê embaixo da tigela está amarrotado — eu o estico. Encho um copo com água da torneira e sento na ponta da mesa para não interromper o caminho da luz. 
Ouço o vizinho falar com seu cachorro; são 07:56 da manhã, eles devem estar prestes a sair para correr. Bebo a água enquanto acompanho com os dedos os bordados de rosas amarelas e folhagens verdes no centro de mesa. Consigo ouvir o vizinho e o cachorro descerem as escadas e fico na espera da batida alta do portão de ferro ao ser fechado.
Completo a água no copo mais uma vez e abro a janela para regar o cacto e as suculentas no peitoril. Tomo cuidado para não colocar água demais nos três pequenos vasos coloridos. Amarelo para Órion, o cacto, rosa para Alnitaka e roxo para Mintaka. Alnilan, a terceira das suculentas e a segunda das Marias na constelação, morreu há dois meses; seu vaso era turquesa. Agora ele fica escondido na área de serviço, retirado de sua função.
Quando acabo, deixo a janela aberta e a brisa fria faz com que os pelos dos meus braços se arrepiem. Vou atrás de algo para esquentar e encontro o cardigã verde escuro de mamãe esquecido sobre o sofá. Ele sempre parece mais macio e quente do que qualquer um dos meus. O tecido pesado faz um contraste engraçado com minhas calças e a blusa fina do meu pijama listrado ao colocá-lo. Com a pouca luz na sala a essa hora, os sofás parecem especialmente convidativos, mas meu estômago ronca e tenho de voltar para cozinha. Assim que ligo o fogo para fazer chocolate quente ouço a porta do quarto se abrindo e mamãe caminhando até o banheiro. Ela conversa animada com nossa gata, Geórgia, sua voz ecoa pelo corredor.
Mamãe entra na cozinha alguns minutos depois, de moletom azul marinho combinando e cabelos presos. Ela beija minha testa ao me dar bom dia, Geórgia vem logo atrás dela e se esfrega em minhas pernas; eu acaricio o pelo malhado do lado do seu corpo com o pé, tomando cuidado para não me desequilibrar e nem parar de mexer o leite. Mas não consigo manter o equilíbrio por muito tempo e desisto.
— O que você está fazendo, filha?
— Chocolate quente — digo e ela emite um som de satisfação.
— O que acha de biscoitos para acompanhar? E talvez pão de queijo? — Ergue as sobrancelhas para mim. Eu sorrio. Mesmo que pão com manteiga tenha todo o charme do mundo, eu não reclamo de variar um pouquinho. E hoje é domingo, isso pede refeições diferentes.
Mamãe diz que volta em um minuto e sai pela porta em busca da nossa comida, e Geórgia se cansa dos meus pés e sobe em uma das cadeiras da cozinha. Toda a companhia que tenho. Isso me deixa em paz. Quando mamãe volta, os chocolates quentes já não estão mais tão quentes, estão do jeito que gostamos — mas que ela nunca consegue esperar ficar quando está por perto e sempre acaba com a língua queimada. Ela coloca o saco de biscoitos em cima da mesa e prova do seu chocolate. Diz que está delicioso e me agradece por tê-la esperado. Balanço a cabeça como se não fosse nada.
O pão de queijo tinha acabado, segundo mamãe, a próxima fornada ainda iria demorar uns dez minutos para sair, a padaria estava movimentada e ela achou melhor não esperar. Mas eu não me importo, ter biscoitos no café da manhã sempre me faz acreditar que aquele será um bom dia. A massa crocante por fora e macia por dentro, ainda quente, o gosto salgado que fica em minha boca, e que vai embora depois com o chocolate quente, eu adoro cada detalhe. Mamãe molha seus biscoitos na caneca de leite antes de comê-los — houve uma época em que achava isso um tanto nojento, mas hoje não. Acabamos devorando o saco todo de biscoitos, como duas crianças, enquanto conversamos.
Mamãe fala de um vestido que viu na vitrine da sua loja preferida — caro demais, vamos esperar por uma liquidação. Falo sobre o próximo lançamento daquela poeta que gostamos — não me lembro mais a data, mas mamãe acha que é em novembro. Pergunto sobre a viagem que vovó fará para o nordeste — daqui a um mês, ela ficará cinco dias fora e quer comprar um óculos de sol novo. Ela pergunta se sairei com meu pai à tarde — esse final de semana não combinamos nada—, ou com Juliana — também não combinamos nada. Eu pergunto sobre o homem que ela saiu na sexta — ela não respondeu a mensagem que ele mandou ontem. Ela pergunta se eu achei alguém naquele aplicativo — É Tinder, mãe, e não, eu desinstalei.
Nos atualizamos da vida uma da outra. Não há pressa, nem barulheira. Ninguém precisa chegar ao serviço em 20 minutos ou conseguir estar em dois lugares ao mesmo tempo ou revisar uma matéria para entregar até o almoço. Domingos são sagrados para ficar em paz. Não ouvimos músicas, nem no rádio, nem em nenhum aplicativo de streaming. A música errada pode simplesmente cortar o silêncio da forma incorreta e quebrar a atmosfera. O mais perto de música que chegamos é quando mamãe, e algumas vezes eu, cantarolamos enquanto lavamos a louça ou preparamos algo para o almoço. E não lemos notícias.
Simplesmente nos desligamos de tudo, e nos concentramos na nossa paz aqui, nesse tempo e espaço, em casa uma com a outra. Manhãs de domingos são sagradas para descanso. 

***

Obrigada a Gih, a tati e a Dani que ajudaram a melhorar e deixar Hygge como está agora. Vocês são ótimas ♥

Se você gostou de Hygge, você pode me ajudar compartilhando esse post ou comentando o que achou!

Tchauzinho! 

15.7.17

Únicas histórias

Um post sobre primeiros beijos, Chimamanda Ngozi Adichie e narrativas romantizadas.

Para Dani,
Que disse que precisava... 

Passei toda a pré-adolescência e parte da adolescência esperando pelo momento que eu ia parar de ser a diferente da turma e daria meu primeiro beijo. Até que aconteceu, começou e acabou e eu fiquei procurando os fogos de artifício que os livros sempre falaram, enquanto eu só me sentia NERVOUSE. Eu passei muito tempo até entender e aceitar que o problema não era eu, que não tinha sido uma má experiência e que depois seria como "é para todo mundo". Eu passei a ter certeza que os livros, filmes e tudo o mais mentem muito e eu tinha outras pessoas para confirmarem isso.

Como nenhuma verdade é inabalável, anos depois cá estou eu lendo sobre uma pessoa que se sentiu assim(!!!) na vida real (!!!!)

O que me levou ao perigo das únicas histórias. Eu não sou o problema, e os livros não estão mentindo, tão pouco. Sendo assim, o problema é que todos os livros onde primeiros beijos entre duas pessoas que se gostam acontecem, (sejam o primeiro da vida, ou o primeiro com aquela pessoa), sempre transmitem a ideia de que fogos de artifícios vão explodir e o mundo sumir. Tudo bem que acontece para alguns, mas para outros não. Esses outros são a maioria que eu conheço, e infelizmente, não lemos livros em que os beijos fossem diferentes.

O problema é a única história.

Primeiros beijos nunca foram assim para mim e eu sei que jamais serão por mil motivos, e mesmo antes quando eu escrevi cenas de beijos, adivinhem? Toda uma sensação que eu não conhecia, e achava que nem existia, mas que era assim. Porque não é romântico descrever que você surtou, que você tava tão nervosa que nem lembra, que você saiu correndo, nem nada seguindo por essa linha. Mas acontece e isso não quer dizer que você, ou a pessoa, ou o mundo é um fracasso. Só acontece, é perfeitamente normal. E, provavelmente, vai melhorar.

A gente só precisa de histórias e vozes diversas para nos ajudar nessa história de nos aceitar e encontrar nosso lugar sob o céu!

Mesmo que você nem tenha gostado desse post, por favor, veja a TED talk da Chimamanda, porque vai mudar a sua vida! :)

13.7.17

Pensamentos sobre A arte de pedir, estrelando "Ser uma fraude"




Conheço um pouco das teorias da Amanda Palmer desde 2015, quando vi e chorei pela primeira vez com a TED TALK maravilhosa que ela fez em 2013. E aí mês passado (dois anos depois) eu comecei a ler o livro que nasceu por causa da palestra, depois que toda a internet já leu e falou e escreveu sobre. Mas estamos aí. 

O "A arte de pedir" é um livro sobre a vida, e principalmente a carreira da Amanda como artista, primeiro estátua viva e depois vocalistas de bandas ou cantora solo, e como a rainha do crowdfunding (financiamento coletivo para projetos). É um retrato sincero  sobre partes da sua vida e da pessoa que ela é, e cheio de identificações.

Minhas identificações começaram conhecendo uma Amanda surtando sem conseguir dormir, brigando com a própria cabeça e antecipando o que o mundo iria dizer sobre a decisão dela aceitar ou não ajuda financeira do próprio marido. Só alguém que já ficou horas brigando com a própria cabeça, antecipando julgamentos e situações e brigas e querendo não ser tão louca sabe como é horrível isso.

Minha terapeuta diz que eu fico assim por não ter resolvido a questão, mas tem horas que eu não sei se isso é verdade, ou se eu só acredito nisso para me confortar. ¯ \ _ (ツ) _ / ¯

É muito impactante ver a "Rainha do pedir" sofrendo por não conseguir pedir. É muito real, mais ou menos como não conseguir seguir os próprios conselhos e reconhecer que há situações em que suas próprias verdades não conseguem te fazer agir ou sentir da forma como deveria e acha certo. Porque não é tão simples assim, sentir e ser é demasiadamente difícil em alguns momentos. E não adianta nada a gente ficar dizendo para si mesmo que é diferente disso, que deveríamos fazer o que acreditamos, porque não vai funcionar. Não até que alguém nos ajude a sair dessa, ou aconteça algo que nos obrigue a sair dessa porque é muito maior do que a nossa treta. Algo que doa o suficiente.


Saber que ainda continuamos sentados no prego porque não dói o suficiente não ajuda a fazer com que nos sintamos melhor — Relato de quem tentou ficar repetindo pra si mesma que não doía o suficiente para justificar porque não conseguia sair do lugar.

***

Antes de começar a ler o livro, eu finalmente consegui entender de forma real, graças a Jout Jout (sempre ela), a Síndrome do impostor (depois fiquei me perguntando: Jout Jout já leu Amanda Palmer?). As pessoas que eu leio por aí, sempre que falavam da Amanda ou do livro sempre falavam da Síndrome do impostor e de vulnerabilidade (chegarei lá também), e sabe, quando você entende algo, mas ao mesmo tempo parece que ainda não entendeu de verdade? Era eu com a tal Síndrome. Acho que pra mim o problema ficou nos exemplos focados em artistas e na história de baterem na sua porta etc.

Após o real entendimento, eu comecei a perceber que me sinto uma impostora até indo na padaria, e me questionar do que sou eu sendo afetada pela síndrome do impostor e o que sou eu reconhecendo minhas limitações? Por exemplo, eu sei que sou maravilhosa e acho um absurdo alguém não me amar e não me achar maravilhosa, AO MESMO TEMPO, que sinto que tô enganando meu namorado quando ele diz que sou muito maravilhosa. E sinto que tô passando a imagem errada e enganando todo mundo quando meus amigos dizem que tenho uma auto estima muito boa (será que vocês já me viram me sentindo não suficiente num sábado a noite qualquer?), ou que sou bem resolvida (!) sendo que eu fico brigando com minha cabeça de 3 à 5 vezes por semana. Comecei a mentalizar que isso é a Síndrome do impostor me fazendo sofrer para ver se ajuda.

E tem as vezes em que as pessoas parecem ver em mim uma capacidade ou inteligência que eu não sinto que tenho de forma alguma; e eu tenho certeza que nesses casos sou eu reconhecendo minha limitação, e provavelmente fingindo e enganando todo mundo muito bem ahahah Sinto que tenho certeza nesses casos, porque toda vez que alguém me trata como uma imbecil (e isso acontece bastante no meu serviço) eu sei que aquela pessoa está sendo cruel porque eu tenho capacidade suficiente naquele assunto pra não ser tratada como tal e ser ouvida.

***

E então vem o medo de pedir. Cresci ouvindo que ajudar é melhor que ser ajudado, e parece uma boa frase, até você começar a  perceber que isso não vem da felicidade em não estar passando nenhuma necessidade, e sim da ideia de que quando você pede você é inferior. E logo eu, filha da mãe que escutou a professora da 1º série dizendo que a filha não gostava de ajudar nem ser ajudada. Juro que melhorei na parte de ajudar... Pedir é difícil.

O medo de pedir é o fruto do medo de não ser suficiente e não merecer ajuda, amor, aceitação, reconhecimento. O medo de se abrir, se expor e não ser acolhida. O medo de não ser boa o suficiente, para merecer pedir, o medo de não ser bem sucedida o suficiente, o medo de não ser bonita, ou inteligente, ou engraçada...

Pedir não é bem visto, nada que quebre a imagem de pessoa inabalável e "acima de tudo" é bem visto. Sentimentos não são bem vistos. Estar vulnerável não é bem visto. Ou é cafona ou é fraco. Nem vamos falar dos milhões de personagem com lema "amor é fraqueza". Inclusive devo ter um ou outro... Passado sombrio.

Mas de verdade, as conexões reais só são realmente feitas e solidificadas quando nos abrimos e mostramos realmente quem somos. Só nesses momentos a gente consegue compartilhar do sentimento de pertencimento. Como quando você confessa uma coisa vergonhosa para alguém e esse alguém diz "eu também!" de volta, e aí nem parece mais tão vergonhosa, porque a vergonha é substituída por entendimento mutuo e identificação com aquele outro ser.

Curiosidade: A sensação de não ser suficiente é maior entre as mulheres, segundo Brené Brown. E isso me deixa triste, mas não espantada quando a gente cresce num ambiente em que a mulher nunca é boa ou bonita o suficiente, que é a culpada pelos absurdos que fazem com elas, que aprende que as outras são as inimigas.

***

Não posso deixar de falar do processo criativo e do liquidificador da arte, e da falta de reconhecimento de que o processo criativo não é só o trabalho duro enquanto se cria.

Desde o começo do livro a Amanda fala sobre coletar os pontos, conectar os pontos e depois transformá-los em uma arte final. Alguns são melhores coletando, outros conectando, outros transformando. Mas todas essas etapas são parte do processo criativo. Por isso se fala tanto para escritores lerem, músicos ouvirem, etc. e para todo artista observar o mundo, e absorver arte. As formas de coleta e conexão são várias e não existe uma certa. Nada vem do nada e nem vai para o nada.

Todas os meus amigos e amigas que escreverem e com os quais tenho mais contato, vivem se debatendo e julgando por perder tanto tempo pensando, ou fazendo playlist ao invés de sentar e escrever. Há um ponto entre o que é fazer playslist ou ficar encarando o teto do quarto pensando e o que é procrastinar por medo de não ser bom o suficiente (ser uma fraude). Esse ponto é onde estamos fazendo conexões e melhorando nosso trabalho.

E a coleta para uma obra pode durar muito tempo. e ela começa ates de você ter ideia para uma obra, e algumas vezes continua por mais bastante tempo depois dessa ideia. 

Entre a conexão e a criação final, entra o liquidificador da arte. Encarando que toda obra de arte carrega traços do autor dela vem a teoria do liquidificador. Você pega alguns dos pontos coletados e os mistura, transformando no produto final, o quanto dos pontos coletados que poderão ser visto na arte final está indiretamente ligado com a velocidade do liquidificador. Quanto menor a velocidade, mais fácil identificar as inspirações. Descobri que meu liquidificador está em velocidade baixa há um tempo, infelizmente Amanda não disse se há uma forma consciente de aumentar essa velocidade. Aceito ajuda!

***

Eu fiquei lendo o livro e juntando os pontos do que eu lia com a vida ao redor. E nem sempre isso é reconfortante, mas pelo menos era bom fazer as conexões.

Amanda fala muito da importância da comunicação sincera com o público; enquanto isso eu acredito e sei que o dialogo e  as conversas ajudam imensamente e, às vezes, são a única solução*, principalmente nas minhas questões. Mas alguns dias eu fico mal e eu não quero ter que conversar e interagir,  mesmo sabendo que o que vai me deixar bem é exatamente conversar e interagir com minhas pessoas. Pensar em responder mensagens é desgastante, mas eu sei que a única solução vai ser conversar. E aí o mundo explode, porque eu preciso fazer algo que a principio me deixa mal, pra depois me deixar bem. Como lidar?
*De verdade, falem, conversem, dialoguem, — consigo mesmo e com os outros ao redor — o máximo que der. Infelizmente cara feia não resolve nada. E acreditem, eu sou a pessoa que mais queria que resolvesse haha

***

Encerarei pedindo para vocês comentarem meus posts, mesmo que achem que não tem muito a dizer, porque é muito bom ler comentários. E leiam A arte de pedir. E meus textos e minhas histórias!


12.7.17

Satisfações

Olá!

Bem, eu sumi por meses, e agora eu volto querendo publicar dois textos no mesmo dia e querendo dizer que está tudo bem? Não está. Amanda Palmer não deixa estar! Segundo ela (e eu concordo muito), falar com o público é essencial, é mostrar o mínimo de consideração. Ninguém vai me cobrar produtividade, mas o público (!!!) precisa saber porque não está vindo nada. E eu tenho dois leitores, mas como também disse Amanda, esse é o público que eu tenho e ele merece ser valorizado, porque ele é meu. Simples assim. Os dois ainda estão aqui EU TENHO PROVAS.
Amo vocês dois, vocês sabem quem são hauahua
"Era essencial sentir gratidão pelos poucos que paravam para assistir ou ouvir [...] Eu precisava apenas de... algumas pessoas. Pessoas suficientes. Suficientes para que valesse a pena voltar no dia seguinte." - A arte de pedir
Então, vamos as satisfações: Foram muitas coisas que acabaram convergindo, e começaram lá em outubro do ano passado, quando eu troquei de emprego. Trocar de emprego no ultimo mês de aulas não é uma coisa sensata a se fazer. Evitem. Exige muito, a faculdade está cheia de trabalhos, você já está esgotada do ano e aí um emprego novo e todas as coisas novas para serem aprendidas... BOOM.. não dá. Você só se arrasta por aí. Não suficiente, novembro é um dos meses de fluxo de serviço intenso no meu emprego.

giphy (1)

Quando chegou dezembro, eu só trabalhava, conversava um pouco no celular e dormia. As poucas vezes que eu escrevi para cá, foram fruto de empenho com minhas próprias promessas, e deu um certo cansaço que eu não lembrava de sentir com o blog. Depois eu passei janeiro trabalhando e dormindo e não escrevi. De verdade, eu não li livros, vi sei lá, dois filmes. Só vivi pela rotina capitalista hahah SHAME ON ME

Com fevereiro e as voltas as aulas, a coisa piorou em relação ao tempo e a disposição. Eu trabalhava, ia para faculdade e mal dormia. Repete. Meus fins de semana se resumiam em dormir, ficar na cama, às vezes sair com o boy. Eu li uns seis livros nesse tempo e, tristemente eu digo, quase não lembro deles, pois estava física e mentalmente cansada. Finalmente, as férias novamente! Descanso e paz, certo? acho que não. Em boa parte de julho ocupei minhas noite com o cursinho do CFC (para tirar CNH), o resto eu vegetei.

Junto com tudo isso por todo esse tempo, muitas questões pessoais mal resolvidas estavam me deixando triste e desanimada, e foram se acumulando. E acumulando. E acumulando. Eu ando bem ~exausta. Aí não sobrou tempo, disposição, ânimo para nada e o Luft ficou no meio disso.

Hashtag #threefictionalcharacters no Twitter
Sinto que esse gato sou eu tentando lidar com tudo ahhaa
Estou há um mês de férias da faculdade e só agora me senti relativamente descansada para querer escrever para cá, e para voltar a escrever ficção. E para querer fazer alguma coisa a mais do que ficar na cama, jogar Candy Crush e alimentar a máquina capitalista hahah

Então é isso, eu não sou fã de satisfações, eu não gosto de ficar aqui só falando de bads (eu sei que tenho feito muito), mas é tudo verdade e pelo bem maior. Ou por consciência limpa. Ah, se eu sumir de novo, serão pelos menos motivos, se não, eu faço outro texto. Tchauzinho!

11.7.17

Calena

Sinto e sei que quanto mais perto estamos de alguém, menos falamos pra esse alguém todas as coisas bonitas que seria tão bom expressar para ele. Às vezes, me dizem que sou boa com as palavras, mas isso não é verdade. Eu sou boa com o texto escrito e seguro, tudo entre mim e uma página em branco. Não sou boa em falar. Nas incertezas e no turbilhão de sensações de olho no olho e toques. A língua sempre fica presa, toda frase bonita se perde e eu sempre engasgo.

Sou uma grande contradição ambulante e passo as impressões erradas. Tenho um blog demasiadamente pessoal, uso o Twitter muitas vezes sem filtro nenhum, e me "exponho" na internet, mas isso é meio que uma mentira. Gosto de guardar muita coisa, porque contar vai estragar tudo, porque eu preciso proteger, porque eu sou doida. E faço isso o tempo todo com meu namoro.

Então, Felipe (meu mozão), este post é pra você, sobre você, eu e a gente.

"I don't quite know
How to say
How I feel

Those three words
Are said too much
They're not enough" 

"Eu não sei bem 
como dizer
como eu me sinto

Aquelas três palavras
são ditas demais
elas não parecem suficiente." 

OI, FELIPE!

Pra você é muito difícil falar de si mesmo e parece mais fácil falar da gente, falar dos seus sentimentos. Eu sou ao contrário. Não sei se você entende isso porque eu é que sou "boa com as palavras", eu que sou "a escritora"... E é difícil pra mim falar do que sinto por você ou em relação a gente. Todas as expectativas, planos, "medos" e felicidades. Eu penso demais e não falo muito. Fico antecipando o futuro, perdendo tempo. E até tento não pensar, porque agora nesse momento que importa, você é minha exceção e meu risco. Minha pessoa no mundo. 

E não sei se você entende essas e todas as minhas loucuras. Mas acho que você ainda vai entender, ou algo perto disso, porque você sempre tenta me compreender e me acolhe com todo o amor do mundo.

Eu te acho tão lindo, e não falo só da sua aparência, você é uma pessoa tão bonita. É bom e paciente. Generoso, compreensivo, fofo e atencioso. É inteligente, perspicaz e sensível. Uma "pessoa boazinha" que não vai me fazer mal. Mesmo quando a gente machuca um ao outro eu sei que jamais é de propósito, e sei que continuaremos cuidando um do outro. Você sempre cuida tão bem de mim. 

Sinto muita falta de todo o seu carinho, de poder segurar sua mão e falar com você. E perdão, por quando te vejo todo dia, frequentemente deixar os problemas do mundo que carrego nas costas atrapalhar. Há dias que são difíceis, e às vezes, eles vêm um atrás do outro e eu não aguento. Tenho quebrado muito facilmente, obrigada por ajudar a me segurar. 

Amo o som da tua voz, no telefone ou pessoalmente, principalmente quando você acha o jeito que te chamei fofo. Amo te fazer rir, sentir seu cheiro e poder te abraçar. Sentir sua mão na minha, e o teu carinho. Poder te mandar mil mensagens e falar de tudo. Amo receber as suas mensagens, e quando você se abre comigo, e compartilha suas coisas. Amo imensamente te fazer rir, te ver feliz e animado, porque foi bem na prova, porque qualquer coisa aconteceu. Amo o jeito que você solta o ar e sorri quando eu digo que te amo. 

Amo quando você me acorda com beijos quando durmo no ônibus. Quando se preocupa comigo, me leva chocolates, ou deixa eu ficar comendo o seu salgado, e a massa do seu cacho quente porque eu não posso comer salsichas.

Eu amo como você me ama de uma forma tão bonita. 

Obrigada por todo o seu companheirismo, carinho e amor sem julgamentos. Você é uma pessoa incrível e única no mundo, eu te amo e te guardo com todo o carinho.

Obrigada por ser o Neil da minha Amanda e a Amanda do meu Neil ahahha




Calena: Caco (apelido do Felipe) + Helena.
Segundo a Dani, madrinha do Luft e maior ship, Calena também significa ligação. Segundo o google, significa pura.